Comportamento, D.I.Y., Donos de Animais, Saúde

Cachorro com medo de fogos: como acalmar seu pet

Cachorro com medo de fogos é um problema muito comum durante o Ano Novo. Com um truque simples, no entanto, é possível acalmar seu amigo e curtir um réveillon tranquilo.

Muitos cães ficam extremamente assustados com o barulho de fogos de artifício. Na virada do ano, essa fobia pode causar um grande estresse ao bichinho. Alguns remédios calmantes podem ser receitados pelo médico veterinário para controlar essa situação. Mas você também pode testar um procedimento bastante popular, que acalma grande parte dos cachorros: o truque do pano.

É muito simples: basta usar um pano para enrolar o tronco do cachorro com medo de fogos, seguindo algumas orientações simples. Veja, abaixo, como fazer.

O que deixa o cachorro com medo de fogos?

Imagine escutar explosões altíssimas sem saber a causa. Provavelmente, você ficaria com medo. Como os cachorros não entendem o que são os fogos de artifício, para eles o barulho é extremamente angustiante. Muitos cães interpretam os sons como possíveis ameaças, o que os deixa alertas e provoca desgaste emocional.

Além disso, a audição dos cachorros é muito mais poderosa que a dos seres humanos. Se já tem gente que se incomoda com o barulho de fogos, imagine a situação pela qual os peludos passam! Para completar, no Ano-Novo, a queima de fogos de artifício costuma durar várias horas, em muitas cidades, pois as pessoas começam a soltá-los bem antes da virada.

Ou seja, é a receita ideal para uma noite de terror entre os cães. Muitos deles podem até fugir de casa, ou passar mal.

Como fazer o truque do pano?

Para acalmar seu cachorro com medo de fogos, você vai precisar de um pano longo, com o comprimento variando de acordo com o tamanho do pet. Basta enrolar ao redor do peludo de acordo com o desenho abaixo.

Aprenda a acalmar o cachorro com medo de fogos usando o truque do pano. Imagem: Divulgação/Twitter do Gelo of Paws

Aprenda a acalmar o cachorro com medo de fogos usando o truque do pano. Imagem: Divulgação/Twitter do Gelo of Paws

Primeiro, passe o tecido pelo peito do cachorro. Em seguida, cruze as pontas sobre o dorso do pet, fazendo com que elas se encontrem no tórax do peludo. Depois, cruze novamente, de modo que as pontas do pano voltem para a parte de cima do seu amigo. Por último, dê um nó firme, mas não muito apertado.

Tenha muita atenção para não comprimir o pescoço, a barriga ou a coluna do cachorro. Assim que finalizar o nó, observe atentamente seu amigo, para ver se ele está com algum tipo de limitação de movimentos ou respiração. Se isso acontecer, tire o pano imediatamente.

Mesmo que o peludo se adapte bem, fique de olho nele até a hora de tirar o pano. Afinal, em algum momento, o cachorro pode tentar remover o tecido e acabar se enrolando. O pet também pode passar em algum lugar onde a faixa ficaria agarrada.

O ideal é que você teste o truque do pano pelo menos uma vez antes do dia do Ano Novo. Assim, você se habitua a fazer ao procedimento, e seu cachorro já vai se acostumando à ideia de ficar um tempinho com essa “roupa” diferente.

Por que o truque do pano funciona?

O truque do pano foi desenvolvido pela treinadora de animais canadense Linda Tellington-Jones. A leve pressão exercida pela faixa de tecido faz com que o sistema nervoso do cachorro se reequilibre. A circulação do pet também é estimulada, o que evita que a cabeça sofra com baixa irrigação. Como resultado, o peludo, aos poucos, tende a se acalmar.

A resposta ao truque do pano varia de cachorro para cachorro. Em todo caso, mesmo que seu pet se dê bem com o tecido, evite ao máximo deixá-lo exposto ao barulho dos fogos de artifício. Dessa forma, todos passam um Ano-Novo mais tranquilo.

Read More...

Diário Vira-Lata, Eventos, Produtos e Serviços

Exposição Amores Vira-latas reune fotografias com cães e gatos de abrigos

O Center Cultural inovou ao oferecer uma Exposição Pet muito especial. Ela se chama “Amores Vira-Latas” e reúne 21 fotografias de cachorros e gatos de abrigos. O fotógrafo por trás disso, Jayme Rocha, já desenvolve projetos sociais há alguns anos e pode ter seu trabalho ainda mais reconhecido através dessa maravilhosa amostra.

Algumas ONGs estão junto com ele nesse projeto, são elas: Paraíso dos Focinhos, Abrigo João Rosa, Adota Petz, Proteção Animal Niterói, Adote um Bigode, AMPAR RJ e Grupo Estimação e Recanto dos Pit Bulls. E o melhor disso tudo é que todos os animais que estão nas fotos estão disponíveis para adoção.

O Center Shopping Rio fez um making off da exposição e convida todo mundo a ir conhecer. O Shopping fica no Rio de Janeiro, no Bairro de Jacarepaguá. Ao chegar procure pelo Center Cultura, que fica no 3º piso, ao lado da Loja Alphabeto. O espaço funciona de segunda a sábado, das 10 às 22hs, e aos domingos e feriados, das 11 às 21hs.

Vídeo Making Off de “Amores Vira-Latas”



Esse conjunto de fotografias de Jayme Rocha faz parte de um projeto chamado “Celebridade Pet“, criado há 2 anos. Ao criar esse proteto tinha como objetivo conseguir um número maior de adotantes de gatos e cachorros desses abrigos. Para chamar atenção, Jayme Rocha utiliza diversos artifícios diferentes, como chapéus, faixas, óculos e cachecóis. As fotos ficam realmente lindas:

Amores Vira-latas Amores Vira-latas Amores Vira-latas

Em paralelo, o fotógrafo, atua em diversas outras frentes à favor da causa animal: organiza feiras de adoção em shoppings, eventos, clínicas veterinárias e pet shops; faz parceria com empresas de transporte no Rio de Janeiro para divulgar as adoções pelas tvs dos ônibus e trens e produz, de forma autoral e com pouco (ou nenhum apoio financeiro), materiais audiovisuais visando a adoção consciente de animais sem raça definida (os famosos SRD).

“Buscamos sempre trazer para o Center Cultural exposições que possam contribuir, de alguma forma, para uma causa social. E o trabalho do fotógrafo Jayme Rocha, de uma delicadeza e sensibilidade marcantes, reflete muito bem isso ao dar a oportunidade do público de conhecer um pouco mais sobre os animais de abrigo, através de uma nova ótica”, comenta Aline Ferraz, coordenadora de Marketing do Center Shopping Rio.

Informações gerais sobre a Expo Amores Vira-Latas

Horário: De segunda a sábado, das 10 às 22hs, e aos domingos e feriados, das 11 às 21hs.
Local da exposição: Center Cultural, no Center Shopping. 3º piso.
O evento gratuito é gratuito! Mais informações, você pode ligar para o número: (21) 3312-5000
Onde fica?

Read More...

Adoráveis Lugares

Shopping Cidade São Paulo é Pet Friendly

Shopping Cidade São Paulo é Pet Friendly! E a gente fica muito feliz em saber que cada dia mais os locais estão aderindo a essa grande tendência. Afinal, quem realmente ama seu pet, quer de passar o máximo de tempo possível ao lado dele, não é mesmo?
O Shopping fica localizado na 14ª cidade mais globalizada do planeta e por lá você já pode ver muitas iniciativas como essa (rola até uma invejinha branca nessas horas hehe).

Localização do Shopping:

Para a entrada, o cão precisa estar com coleira e guia. Além disso, precisa ter o limite de altura de 60 cms. É claro que cão-guia não conta, esse pode ser maior por conta de sua função de ajudar seu tutor a se locomover com segurança.
Para um maior conforto e bem-estar da família, o Shopping também oferece um carrinho para que você conduza seu animal. Este mesmo carrinho pode ser solicitado no balcão de recepcção, na entrada do Piso Térreo. Porém, com o carrinho você pode acessar o elevador, mas não as escadas rolantes.
Se por acaso seu pet fizer xixi ou cocô no chão, a indicação é que você procure por um segurança dentro do Shopping, que o mesmo irá lhe auxiliar na melhor forma de limpar. Vale lembrar que em todas as entradas você pode encontrar saquinhos para coleta, então se você não foi preparado, fique ligado!
Infelizmente cães como Pitbull, Pastor Alemão, Dobermann ou Rottweiler não podem entrar, mesmo que usando focinheira. A gente sabe que eles podem ser tão dóceis como qualquer outro cão e que isso depende do dono, não do cão… Então fica o aqui o questionamento para o Shopping.

 

A blogueira Katarina Holanda, do Blog “Outro Blog” já esteve lá com seu Pug Bacon e fez uma foto super fofa. O post foi direcionado para a loja Kipling, mas caso queira ver ele na íntegra, você pode ler aqui. Segue abaixo a foto:

 

Shopping Cidade São Paulo é Pet Friendly

 

Bom, já sabemos que o Shopping Cidade São Paulo é Pet Friendly. E você? Tem alguma dica para compartilhar com a gente? Mande uma mensagem por aqui ou mande um e-mail para [email protected]

Shopping Cidade São Paulo é Pet Friendly

Read More...

Produtos e Serviços

Seu gato é fujão? Conheça o GPS criado para monitorá-lo

Quando vamos até uma ONG adotar um gatinho, um requisito básico e eliminatório é saber se você tem tela nas suas janelas (ou se pretende colocar, caso não tenha), não é mesmo? Isso acontece pois geralmente o gato é fujão e ao sair de casa acaba correndo o risco de se machucar ou até mesmo de não retornar.

Pensando nisso, a “Central Tablelands Local Land Services”, na Austrália, criou um aplicativo que possui rastreador de GPS, mostrando ao tutor as aventuras do gato quando ele sai de casa.

“Quando você fala com um tutor de gatos, eles dizem: “Ah, meu gato dormiu junto comigo na cama, ele não foi a lugar algum.”, disse Evans sobre como os donos tem uma ideia totalmente errada de onde o animal está quando você não está perto ou dormindo.

“Além das fugas indesejadas para o dono, o gato provoca danos à biodiversidade, à fauna e flora nativas”, disse Peter Evans, um oficial senior do local, ao site Mashable australiana.

VEJA TAMBÉM: Descubra como ter uma casa segura para o seu gato.

O grande desafio encontrado para os desenvolvedores e pesquisadores foi o de manter o animal usando o dispositivo, já que muitos se incomodam com o acessório e outros o acabaram perdendo.

Gato é Fujão

O GPS aplicado ao gato.
Imagem do Site ABC da Austrália.

Essa fase de adaptação pode ser desgastante, mas certamente não há valor que se pague você ter seu animal encontrado quando perdido ou até mesmo saber onde ele está quando você não está em casa.

O resultado da pesquisa foi surpreendente, devido ao quão longe os animais foram, alguns resultados apontaram 3 kms de distância entre origem e destino. Muitos tutores achavam que o trajeto percorrido era curto ou achavam que os gatos não saiam do quintal.

Evans disse que os gatos usaram o dispositivo por até 10 dias no total e que coletaram nesse período mais de 100 trajetos, o que representa 24 horas na vida do animal. Vale ressaltar que ele não só mostra o trajeto, como também o tempo para cada um de seus passos.

Cuidado! As imagens a seguir são surpreendentes! =P

GPS Pet

Essa imagem mostra o caminho que o gato percorre quando sai de casa.
Imagem da CENTRAL TABLELANDS LOCAL LAND SERVICES, na Austrália.

GPS Pet

Essa imagem mostra o caminho que o gato percorre quando sai de casa.
Imagem da CENTRAL TABLELANDS LOCAL LAND SERVICES, na Austrália.

GPS Pet

Essa imagem mostra o caminho que o gato percorre quando sai de casa.
Imagem da CENTRAL TABLELANDS LOCAL LAND SERVICES, na Austrália.

Como mostram os mapas, os gatos circularam o bairro e andaram bastante durante o passeio. Um deles foi encontrado nos arredores de uma escola local tarde da noite. Os analistas disseram suspeitar que deveriam haver caixas de comida ou até mesmo o gatinho poderia estar perseguindo ratos e camundongos pois gastou uma quantidade de tempo considerável por lá.

“Com esse projeto esperamos que o dono do animal tome consciência de que o gato é fujão. É bastante perigoso para o felino, podendo ser atropelado, pegando doenças através de ratos ou até mesmo passando por alguma maldade humana.”, disse Evans.

 

Gato é Fujão

Na foto Evans mostra a aplicação do GPS em um dos gatos. Imagem do Site ABC da Austrália.

Seu gato é fujão?

Conta pra gente aqui nos comentários se você acha que essa solução funcionaria para o seu gato ou cachorro.

Referências Bibliográfias:

GPS maps show the wild adventures your cat goes on night. Disponível em: <http://mashable.com/2016/05/26/cat-roam-maps/#bhJkl5Pr_uqF>. Acesso em: 29 Nov. 2017.

Cat tracking program makes owners re-think pets’ behaviour and how they manage their moggies. Disponível em: <http://www.abc.net.au/news/2016-05-20/cat-tracking-program-makes-owners-re-think-pet-behaviour/7431248>. Acesso em: 29 Nov. 2017.

Read More...

Produtos e Serviços, Saúde

Reiki Animal: você conhece os benefícios dessa terapia para os pets?

Você sabia que o método Reiki é uma terapia integrativa e complementar, já bastante utilizada em seres humanos? Esse tratamento faz parte hoje inclusive em hospitais e no SUS pelo Brasil.

É uma forma holística de tratamento, que possuí benefícios físicos, mentais e emocionais, recomendada pela Organização Mundial da Saúde – OMS.

O método atua no alívio de dores e sintomas causados por enfermidades. Age no equilíbrio do organismo e fortalece a imunidade. Traz alívio aos efeitos colaterais de remédios e tratamentos como quimioterapia, sendo um ótimo aliado em casos oncológicos, por exemplo.

Animais que estão em recuperação, sem apetite, em reabilitação, com fraturas, tumores, infecções, feridas, problemas respiratórios, cardíacos, neurológicos, em fases terminais de doenças ou que enfrentam dificuldades da terceira idade, podem se beneficiar da aplicação do tratamento.

Problemas emocionais como luto, depressão, ansiedade de separação, agressividade, medo intenso, dificuldade de integração com outros animais ou pessoas, agitação, stress, automutilação, entre outros, também podem ser tratados com o método Reiki.

 

O que é Reiki e como funciona?

O Reiki é um método japonês de tratamento holístico. Trata o receptor de maneira integral, desde o aspecto físico, até o emocional, mental e espiritual.

A aplicação da energia Reiki é feita através das mãos do terapeuta. Através de seu conhecimento, o terapeuta vitaliza o corpo físico e mental, contribuindo para o bom funcionamento e reequilíbrio das principais glândulas, sistemas e órgãos.

Além disso, promove uma rápida cicatrização de feridas e fraturas, facilitando a regeneração de tecidos. Por fortalecer o sistema imunológico, o Reiki auxilia na recuperação de qualquer tipo de doença, pois o foco do tratamento é o sistema físico/energético do receptor. Uma vez equilibrado, terá mais facilidade no processo de recuperação, assim como mais conforto e controle da dor e sintomas desagradáveis.

Nos corpos energéticos, emocional e mental, trabalha os traumas, emoções e bloqueios energéticos, que afetam a saúde integral do indivíduo. Promove bem-estar, paz, alívio emocional e conforto. Além do bom funcionamento dos chakras e um livre fluxo de energia vital nos meridianos sutis.

Tratamento Alternativo com Reiki Animal

Acompanhe os textos da Animastê para saber mais sobre saúde integrativa e Reiki Animal!

Entre em contato e agende uma sessão para seu companheiro animal: [email protected] ou (11) 94276-5350.

“A prática do Reiki Ryoho significa que o praticante deseja felicidade, saúde e bem-estar para todos os seres vivos.”

PETTER, Frank Arjava. Isto é Reiki.

Read More...

Adorável Decor

Ikea lança linha de móveis e acessórios Pet

Que os nossos amados pets estão cada vez mais sendo destaque nas casas e na mídia, a gente não tem dúvida. E pensando nisso, a marca Ikea, empresa sueca que vende produtos de design, famosa por ofertar móveis d.i.y. (sigla em inglês para “faça você mesmo) e acessíveis, criou sua primeira linha de móveis e acessórios pensados nos cães e gatos.

No Brasil a tendência foi comprovada por diversas matérias na mídia: existem hoje mais cães a crianças no nosso país. E no mundo não é diferente, a paixão pelos peludos cresce ano a ano e muitos casais escolhem adiar a vinda de uma criança ou até mesmo optam por não ter. E, principalmente nesse caso, por que não adotar um cão e/ou gato?

Locais que aceitam cães, serviços cada vez mais diferenciados e exclusivos, venda de produtos como cerveja e até mesmo empresas que fazem comida natural para seu peludo são alguns dos exemplos que encontramos atualmente. Muitas pessoas lidam hoje com seu pet como parte integrante da família, fazendo com que o cuidado aumente bastante.

Sendo assim, Ikea lança linha de móveis e acessórios Pet com produtos assinados pela Designer Inma Bermudéz e com o colaboração da veterinária Barbara Schäfer. No site você poderá encontrar móveis como mesas com arranhadores adaptados, camas e sofás próprios para nossos amados peludos, caixotes, almofadas, cobertas, etc.

A estratégia da marca foi transformar produtos já consagrados e icônicos em produtos para pets. Um grande exemplo é o sofá Klipan, que teve suas medidas alteradas, mantendo o mesmo design. São ao todo 62 peças, dentre móveis e acessórios, que integram a coleção chamada Lurvig.

Este lançamento chegará primeiro nas lojas da Ikea dos Estados Unidos, Canadá, França e Japão e está previsto para março de 2018 a chegada dos produtos nos outros países. A marca não está presente no Brasil, mas que sirva de inspiração para as marcas daqui!

Segue abaixo um vídeo de um dos produtos e algumas imagens:

 

  1. Sofá que tem capa removível: Além da capa removível, este é um ícone da marca, já vendido para humanos e grande sucesso de vendas.Ikea lança linha de móveis e acessórios Pet

  2. Caminha: Dentro das capinhas é possível colocar roupas velhas, o que facilita tanto pensando no fator ecológico, quanto psicológico do animal, que fica mais tranquilo e confortável ao sentir o cheiro de seu dono.Ikea lança linha de móveis e acessórios Pet

  3. Caixote de Gato: Ikea lança linha de móveis e acessórios Pet

  4. Coberta para Sofás “Humanos”:Ikea lança linha de móveis e acessórios Pet

  5. Túnel de Gatos: Ikea lança linha de móveis e acessórios Pet

  6. Caminha: Ikea lança linha de móveis e acessórios Pet

  7. Mesinha Lateral:Ikea lança linha de móveis e acessórios Pet

  8. Casinha: Ikea lança linha de móveis e acessórios Pet

  9. Mesa humana com arranhadores: Ikea lança linha de móveis e acessórios Pet

  10. Coleção quase completa, com produtos que agradarão cães e gatos:

    Ikea lança linha de móveis e acessórios Pet

Quer conhecer a linha completa? Acesse o site da Ikea.

 

 

 

Read More...

Adoráveis Histórias, Produtos e Serviços

Saiba como fazer mudança internacional com pets de pequeno porte

Olá Pessoal!

Gostaria de compartilhar com vocês a experiência e o passo a passo de como realizei minha mudança internacional do Brasil para Santiago do Chile com os meus cachorros.

Cada linha aérea e cada país tem suas exigências, mas vale a pena se informar bem, ir atrás da papelada e ficar atento com os prazos, pois ter a cia desses serumaninhos vale QUALQUER esforço!

A linha aérea que escolhi foi a LATAM, pois eles aceitam transportar na cabine cães braquicefálicos (aqueles cãeszinhos com focinho curto e que possuem dificuldade para respirar).

1. Primeiro Passo

Para pedir o serviço, você pode ir a uma loja LATAM ou ligar na Central de Vendas. O serviço será solicitado na reserva da sua viagem e poderá ser pedido até 48 horas antes da saída do seu voo. Ao ligar, você precisará ter em mãos os seguintes dados:

  • Idade
  • Peso
  • Tamanho
  • Raça
  • Informar características principais, que no meu caso foi falar sobre a questão dele ser braquicefálico

2. Segundo Passo

Para garantir a segurança e o conforto de seu animal de estimação, ele deverá viajar dentro de uma caixa de transporte rígida ou flexível, com ventilação adequada, base impermeável e fechadura. Seu bichinho precisa caber com conforto na caixa e mover-se sem problemas lá dentro.

As dimensões da caixa são: 36 cm x 33 cm x 23 cm.

Caixa flexível para levar cachorro dentro de avião em mudança internacional

3. Terceiro Passo 

Você terá que procurar o Ministério da Agricultura (sigla MAPA) mais próxima da sua cidade, no meu caso era Guarulhos, para emitir o Certificado Zoossanitário Internacional – CZI. 

Tentei ligar por diversas vezes para agendar e ninguém atendia, tive que ir pessoalmente até Guarulhos somente para agendar e outras pessoas disseram que passaram pelo mesmo problema que eu passei.

Programe-se para fazer isso com ao menos 1 semana antes da sua viagem, pois o atestado CZI tem validade de apenas 3 dias.

No dia em que eles agendarem sua visita ao MAPA, você deverá comparecer com as seguintes papeladas:

  • Dados do seu voo
  • Carteirinhas de vacinação + cópias
  • Um atestado emitido pelo veterinário do animal, que deixarei o modelo a seguir 

Modelo de atestado para mudança internacional com cachorros

Não esqueça que a vacinação V8 ou V10 e de raiva precisam estar em dia!  

4. Quarto e Último Passo: Preparando para a mudança internacional

Depois disso foi organizar tudo e viajar. =)

Obrigada pela leitura. Espero que seja útil.

Renata e Família

Mudança internacional em famíília, incluindo cachorros

E falando em cães braquicefálicos…

Se você gostou dessa matéria sobre mudança internacional e quer saber como evitar e tratar outros problemas de saúde que afetam cachorros braquicefálicos, faça o download gratuito do nosso Guia Prático das Raças de Focinho Achatado, dividido em duas partes. Elaborados pelo Mundo Bull, em parceria com a Adorável Criatura, os e-books oferecem informação de qualidade, com o objetivo de ajudar donos de pets a cuidar melhor do bem-estar de seus amigos peludos.

Clique aqui para baixar a parte 1 do Guia Prático das Raças de Focinho Achatado.

Clique aqui para baixar a parte 2 do Guia Prático das Raças de Focinho Achatado.

Read More...

Adoráveis Lugares, Donos de Animais

Empresa pet friendly oferece folga para funcionário que adotar cachorro

A BrewDog, uma empresa de cervejas artesanais que fica na Escócia, foi fundada em 2007 por James Watt, Martin Dickie e seu cão, chamado Bracken. Desde o surgimento da empresa, sempre disseram que seus maiores focos eram a cerveja e seus funcionários. Depois de um tempo descobriram que para seus funcionários o que importava era não somente a cerveja, mas também seus cães ?  ?  (e a gente concorda, né? rs).

Como já era da vontade deles a muito tempo, resolveram então criar uma “regra” que não só trouxesse satisfação e momentos mais leves para seus funcionários, mas que também estimulasse que outros funcionários, que ainda não tivessem cão, pensassem na possibilidade de adotar um melhor amigo. Sendo assim, passaram a tornar a empresa pet friendly e oficializaram os peludos como parte integrante da equipe BrewDog.

empresa pet friendly

A dificuldade de adaptação com um novo melhor amigo

A empresa hoje conta com aproximadamente 50 cães em sua sede. Para aqueles que ainda não tem um animalzinho, ainda há uma outra vantagem. Os funcionários que quiserem adotar um cão, terão o direito a uma semana de folga. Os fundadores alegam que desta forma estimulam a adoção e ajudam para que a adaptação da família nova seja feita da forma mais tranquila possível, evitando todo tipo de estresse que a chegada de um novo membro de quatro patas pode causar.

empresa pet friendly

 

A atitude por enquanto só está sendo praticada no escritório central, mas pretendem estender para todas as suas unidades. A primeira delas a também se tornar pet friendly será a de Ohio, nos Estados Unidos. Esta será inaugurada dia 20 de fevereiro deste ano.

Os fundadores se orgulham da atitude que conseguiram implementar na Empresa Pet Friendly. Além deste diferencial, oferecem outras vantagens super bacanas para quem trabalha com eles. A gente vibra com atitudes como essa e torce para que ela vire mania por ai!

 

Puppy Parental Leave from BrewDog on Vimeo.

Read More...

Entretenimento

VEJA e Rede Petz promovem sessão de cinema ao estilo drive-in

Em comemoração aos 463 anos de São Paulo, VEJA SÃO PAULO, do Grupo Abril, e a rede de pet shops Petz fizeram uma parceria para promover duas sessões de cinema gratuitas ao estilo drive-in. O filme Pets: A Vida Secreta dos Bichos, dirigido por Chris Renaud e Yarrow Cheney, atraiu personalidades como o apresentador Celso Zucatelli, a ativista animal Luisa Mell e a blogueira Mariana Belém.

O evento, realizado no estacionamento da filial da Petz na Marginal Tietê, lotou o local com mais de 40 carros repletos de casais e crianças. Eles ouviram a animação pelos rádios dos veículos e a transmissão foi feita por meio de frequência modulada (FM). Os presentes foram ganhadores de uma promoção lançada em 13/1 por VEJA SP. Além da vaga, garantiram também pipocas, bebidas e kits com produtos dos patrocinadores.

sessão de cinema ao estilo drive-in e o apresentador Celso Zucatelli

 

sessão de cinema ao estilo drive-in e a ativista animal Luisa Mell

Grupo Abril – conhecimento é o nosso negócio

O Grupo Abril está na vida de milhões de pessoas. Unindo a expertise dos seus pilares de mídia, logística, licenças, assinaturas, big data, branded content, gráfica, a Abril produz conteúdo, informação de qualidade e soluções de comunicação e logística para seus clientes. Entre os mais de 90 títulos e sites que possui está VEJA, maior revista do Brasil e uma das maiores semanais de informação do mundo. Recentemente foram lançados GoBox, plataforma de clube de assinaturas, e GotoShop, operação de e-commerce. A Abril também possui em seu portfólio a CASA COR, maior evento de Arquitetura e Design das Américas. A missão da Abril é “contribuir para a difusão de informação, cultura e entretenimento, para o progresso da educação, a melhoria da qualidade de vida, o desenvolvimento da livre iniciativa e o fortalecimento das instituições democráticas do país”.

Sessão de cinema ao estilo Drive-In

Agora imagina que legal se pudermos cada vez mais poder curtir coisas que gostamos ao lado de nossos pets? Ficamos encantados com a possibilidade… Um domingo de tarde pede um momento como esse. Um dia a gente chega lá! ? ? ? ?

Read More...

Adoráveis Entrevistas, Donos de Animais

“Retomamos o espírito que norteou a criação da SEPDA”

Último gestor à frente da Secretaria Especial de Promoção e Defesa dos Animais (SEPDA) durante o governo Eduardo Paes, Vinícius Cordeiro (PT do B-RJ) está no comando da pasta há pouco mais de 3 meses. Em entrevista à Adorável Criatura, Cordeiro, que já havia sido subsecretário da SEPDA, afirmou ter buscado restabelecer na secretaria uma visão mais ampla do trabalho da administração municipal em prol dos animais.

O secretário também ressaltou a necessidade de alterações na legislação que visa coibir maus-tratos e expôs sua visão sobre as principais necessidades da SEPDA. Cordeiro comentou, ainda, a relação entre o poder público e os protetores de animais.

Em 2016, o orçamento executado da SEPDA foi de cerca de R$ 11 milhões. O montante extrapolou em R$ 1 milhão a previsão original. Esse acréscimo se deu pela compra dos carros elétricos que substituíram, em maio, as charretes que circulavam pela Ilha de Paquetá.

As opiniões dos nossos entrevistados não necessariamente refletem a posição da Adorável Criatura a respeito de qualquer tema. Nosso blog privilegia a pluralidade de ideias e o debate aberto a respeito de temas ligados aos animais.

Adorável Criatura: Quais o senhor considera as principais características e realizações da sua gestão à frente da SEPDA?

Vinícius Cordeiro: Você tem hoje na secretaria uma compreensão um pouco mais universal do que é proteção animal. Envolve, por exemplo, repressão, combate ao tráfico, aos maus-tratos. A gente faz inclusive com animal silvestre, que não é o escopo da secretaria, mas é animal. Mesmo que a gente mande depois para o Ibama.

Hoje a gente faz o programa Bicho Rio, que é o programa (de esterilizações) de maior porte do país e está batendo recordes. Estamos chegando a 45 mil esterilizações contra 35 mil em 2015 e cerca de 30 mil em 2013 e 2014.

Melhoramos as condições de abrigo (da Fazenda Modelo), de alimentação, limpeza, administração de pessoal, inauguramos, agora, o solário do canil. Mas o que impede de manter um abrigo de maior qualidade é a contínua judicialização que se faz na cidade do Rio de Janeiro. Toda hora envia animal para lá. E detalhe, não só animal para ser abrigado definitivamente, também tem aqueles que são abrigados provisoriamente. Eu tenho que arrumar lugar para 40, 50 gatos, que, daqui a um mês, estão de volta na casa da Dona Cotinha, que vai provar que trata bem do bichinho. E o bichinho vai ficar pior, às vezes, dentro do abrigo. Embora eu tenha feito intervenções, a coisa não está do jeito que a gente gostaria por conta dessa questão.

Obras de construção do solário do canil da Fazenda Modelo. Foto: Divulgação/SEPDA

Obras de construção do solário do canil da Fazenda Modelo. Foto: Divulgação/SEPDA

A gente resolveu investir bastante na questão do Programa de Proteção aos Animais Comunitários, com os abrigos, monitoramento e vacinação de colônias. Estamos iniciando uma série de ações relativas às colônias, reservando porcentagens da castração prioritária para as colônias de felinos, onde a proliferação é muito grande. Temos que direcionar o aparelho público para onde tem problema de controle.

Estamos procurando deixar esses programas, brigando com o próximo prefeito para que eles tenham continuidade e deixando amarrados os protocolos para que sigam sendo executados posteriormente.

AC: Em que direção é preciso avançar mais na proteção aos animais?

VC: Qual a solução mais moderna das grandes capitais europeias? O que tem de mais moderno na proteção animal? É você efetivamente não deixar os animais nos abrigos, é dar uma sobrevida para eles. Tentar ver se a cidade investe mais pesadamente em controle. Você vai fazendo mais controle populacional nas colônias e, com isso, diminui infestação de doença, esporotricose, cinomose…

Diminui as zoonoses e, ao mesmo tempo, faz controle, incentiva a adoção, porque ninguém vai adotar o gato não castrado, não vacinado. É uma série de consequências positivas, se você faz o monitoramento que deve ser feito.

É muito difícil, está começando isso, a cidade hoje tem uma mancha grande, uma demanda grande de atendimento em colônia. Mas a gente tem que começar. Então estou retomando, talvez, o espírito que norteou a criação da SEPDA, em 2000, de fazer proteção animal na integralidade. Ou seja, melhorar as condições de habitabilidade dos cavalos, fazer controle populacional, investir na campanha dos maus-tratos, campanha contra o abandono, que piorou muito com a crise econômica. E a gente está tentando revitalizar a questão da educação ambiental. A SEPDA ainda não dispõe da estrutura ideal para o atendimento dessa demanda.

Por último, fizemos a iniciativa legislativa. Nós enviamos para a Câmara duas mensagens do prefeito Eduardo Paes, elaboradas pela equipe da SEPDA. Propusemos a criação do Fundo de Proteção da Vida Animal (Funprovida) e mudanças na lei dos maus-tratos, que hoje é inócua. Se você agride um gatinho, R$ 2 mil, se você mata um mico-leão-dourado, R$ 2 mil.

cachorro com placa bacteriana e tártora, que pode evoluir para doença periodontal

É uma sanção administrativa ridícula. A gente está adequando essa legislação com a legislação federal, seja na ampliação da tipologia, seja na aplicação das multas. Responsabilizando, inclusive, pessoas jurídicas, e dando poder de polícia administrativa para a Secretaria. E estamos brigando pelo cumprimento da Lei dos Animais Comunitários, que também precisa ser aperfeiçoada. É um trabalho muito grande pela frente.

AC: Em relação à legislação que coíbe maus-tratos, o principal problema está nas próprias leis atuais ou na inaplicabilidade delas?

VC: Não, a legislação infelizmente é insuficiente para o atendimento das nossas demandas. O caso mais célebre é o caso dos maus-tratos. A sanção administrativa de apenas R$ 2 mil, seja em que tipologia, em que modalidade for, é insuficiente. Ela precisa de uma gradação, precisa de valores que se traduzam numa sanção que tolha.

Como é que eu posso punir adequadamente uma pessoa jurídica que cometa maus-tratos com um grupo de animais? Eu não tenho (como punir), não tem gradação, não tem valor suficiente, não tem punibilidade de pessoa jurídica. Então a gente precisa melhorar a legislação. Não é um problema de o executor querer, não ter vontade política de executar.

Imagem elaborada pela SEPDA adverte sobre a multa de dois mil reais para quem pratica maus-tratos contra animais. Imagem: Divulgação/SEPDA

Para Vinícius Cordeiro, sanção administrativa de R$ 2 mil é insuficiente para coibir maus-tratos a animais. Imagem: Divulgação/SEPDA

Outra coisa que é importante falar: o Rio é tambor do país. Quando a cidade do Rio adota uma legislação, ela espraia, é reproduzida, repercute em outras cidades, como cidades do interior. Toda hora a gente recebe uma visita de alguém querendo conhecer, adotar, aplicar os conceitos da legislação municipal do Rio de Janeiro.

Qual a legislação animal talvez considerada a mais completa, a mais avançada do país? Alguns dizem que é a de Pelotas, outros dizem que é a de Guarulhos ou a de Curitiba. Que repercussão tem? Repercussão mediana. Porque você, na verdade, jamais vai ter o impacto, que é o impacto político, como o de uma legislação adotada na cidade do Rio de Janeiro.

AC: Recentemente, o Dr. Reynaldo Velloso, presidente da Comissão de Proteção e Defesa dos Animais da OAB-RJ, disse, em entrevista à Adorável Criatura, que os protetores devem ter auxílio do governo porque, muitas vezes, fazem o que o poder público não faz. Qual a sua visão a respeito dessa relação do governo e da SEPDA com os protetores de animais?

VC: Vamos por partes. Nós iniciamos uma relação inédita, com um programa que ainda está embrionário. É o chamado programa Abrigo Amigo, que serve para dar apoio aos abrigos. Foi iniciado agora, com a crise da SUIPA. Por incrível que pareça, SUIPA, SEPDA e OAB, por exemplo, não trabalhavam em conjunto, o que era incompreensível, na minha cabeça de gestor. Sobre a relação com alguns abrigos, a gente já conseguiu traduzir esse apoio em iniciativas concretas.

Agora, a conversa com os protetores é muito multifacetada, muito diversa. Por quê? Porque os interesses são diversos. Há os protetores que atuam em ONGs e efetivamente estão no dia a dia do resgate, da castração, ou mesmo do abrigamento.

Há os protetores que atuam em colônias de animais comunitários. A esses a gente resolveu dar um tratamento diferenciado, no programa de animais comunitários, que determina que a gente cadastre e monitore ações deles. E eles têm prioridade no agendamento de castrações gratuitas.

Seminário sobre animais comunitários promovido pela SEPDA em parceria com a OAB e a ONG Oito Vidas, em 30/11. Foto: Divulgação/SEPDA

Seminário sobre animais comunitários promovido pela SEPDA em parceria com a OAB e a ONG Oito Vidas, em 30/11. Foto: Divulgação/SEPDA

Por último, há os protetores que são, tradicionalmente, desde aqueles que fazem mais que a castração, que, no meu entender, são protetores de verdade, têm uma ação mais ampla, que é de proteger os animais, até aqueles que só cuidam de castração, o que, para uma minoria, virou uma atividade lucrativa.

O número de protetores cadastrados na secretaria triplicou. E, com a crise econômica, muita gente começou a descobrir que aqui tem um serviço gratuito, que está cada vez mais caro (no mercado). E você criou uma corrida da classe média para o serviço gratuito.

Esse estrangulamento da demanda em relação à oferta criou alguns pontos de atrito com algumas ONGs da proteção. Isso fez com que a gente fizesse uma reengenharia nesse modelo de atendimento. Mas, de um modo geral, nossa relação com a proteção é boa, alguns canais inéditos foram construídos. Eu quero citar algumas organizações que têm atuado mais próximas da gente, como a SOZED, a Oito Vidas, a OAB, a SUIPA, a GARRA. Alguns abrigos tradicionais da cidade e outras organizações têm visto que não existe mais um fosso.

Eles têm sido parceiros da nossa gestão e, de fato, fazem, muitas vezes, o papel que o governo não consegue e não tem como fazer, porque nossos recursos são finitos, e a demanda é muito maior do que o tamanho da administração governamental.

AC: Sobre os cavalos que puxavam charretes na Ilha de Paquetá, estão todos no Santuário das Fadas? Como foi essa transição para os carros elétricos?

VC: Já estão todos no Santuário das Fadas, nas mãos da Patrícia Fittipaldi. Aliás, eu estive lá recentemente. Estamos agora monitorando esse novo desenvolvimento da Charretur. A Charretur, que é uma associação de charreteiros, está virando uma associação de condutores de carros elétricos. Isso está tendo um benéfico para o turismo da ilha.

Você tinha mais de 20 cavalos, que jogavam uma montanha de dejetos, fezes, de uma tonelada por semana. Obviamente que isso é um avanço na limpeza da ilha. Agora tem carro elétrico, que não polui, não faz barulho, não fica doente. O carro dá mais lucratividade hoje para o charreteiro do que o cavalo dava. Então, para eles está sendo uma alternativa lucrativa.

A gente fez um trabalho de convencimento, que não era só tirar a tração animal. Demos uma alternativa econômica para as famílias. Eles entenderam que a tração animal não era interessante para eles. Nós vamos fazer uma força aqui para que a tração animal seja proibida na nossa cidade. Mas você tem problemas. Por exemplo, diferentemente de Curitiba e cidades menores, que o pessoal compara muito, aqui tem milícia, tem tráfico.

Por exemplo, os cavalos da Xavier de Brito. Nós não podemos fazer a fiscalização porque é na Cachoeirinha. Vai lá o fiscal, para ver se o cavalo está comendo direitinho. Não dá, você não vai ser bem recebido com o lindo colete azul que nós temos. É uma cidade complexa. É uma cidade que tem tração animal na Zona Oeste, porque ainda tem zona rural lá, e tem muita tração animal irregular em pontos de milícia. Você tem dificuldade para o poder público atuar de uma forma mais firme nessas áreas.

Read More...