Diário Vira-Lata

Pandora, a pitbull dócil que roubou meu coração

Pandora, a pitbull dócil que roubou meu coração

Um dia, minha tia contou para minha mãe sobre uma cadela do vizinho dela que vivia em estado deplorável fazia anos e, claro que, ao saber daquilo, há 3 anos e 3 dias, já era, cismei que tinha que ir ver a pobrezinha.

Por mais que vejamos cenas de animais maltratados, nunca estamos preparados para lidar com a realidade sendo jogada na nossa cara. Pois bem, no dia, encontrei uma pit bull presa numa corrente curta, que não a permitia com que deitasse direito ou andasse, sem comida nem ÁGUA, dá para acreditar? Nem água colocavam para ela! As pessoas que passavam na rua falavam para eu ter cuidado, pois ela era brava, isso, certamente, é porque eles nunca tinham me encontrado na rua com fome!

Mas, se fosse para citar aquilo que mais me marcou, de toda a cena que vi, não foi o local sujo, a falta de comida e água, a corrente curta, estar suscetível ao tempo, mas sim o olhar quando ela me viu pela primeira vez. Não vou mentir e romantizar dizendo que foi como um pedido de socorro, não! Foi um olhar de ódio! Um olhar que não saiu e nunca mais vai sair da minha memória e do meu coração. Talvez tenha sido por reflexo, só via isso e, por isso, era o que sabia transmitir. Não me deixei abalar, coloquei água num pote e, com o cabo de vassoura, deixei perto dela, joguei o saquinho de ração que tinha levado.

Naquela noite, não consegui dormir. Aqueles olhos, aquele olhar…

Pronto! Sabia que eu teria que voltar e trazê-la para minha casa. Então, no dia seguinte, liguei para minha tia e falei para que conversasse com o “dono” da cadela e a pedisse por mim, estava disposta a oferecer dinheiro por ela. De bom grado, “o dono” me fez a doação com as doces palavras: “que bom que ela a quer, ia soltá-la na estrada hoje, vai me poupar trabalho.” Sorte a minha, sorte a dela!

E, assim, só no outro dia, chegou, finalmente, a hora de ir buscar a perigosa-pit-bull-do-bairro, claro que minha mãe foi comigo, minha companheira de aventuras caninas, levamos todo um aparato de resgate: um remedinho para dopá-la, uma focinheira e só!

O irmão do “dono” nos ajudou, tirando-a da corrente e dando o remédio, esperamos fazer o efeito e assim que ela amoleceu, o que foi rápido já que estava muito magra, colocamos a focinheira e levamos para o carro.

Nunca vi um animal tão forte – debilitada, dopada, amordaçada e, mesmo assim, ainda lutava para ficar em pé no carro. Chegamos em casa, arrumamos uma cama quentinha, um balde d`água e comida, muita comida, mas a deixamos presa só por via das dúvidas. Já no segundo dia, ela estava solta, de banho tomado, livre dos carrapatos e pulgas, curtindo o sol; claro, ainda magra, com diversos problemas de pele, falta de pelo, ossos apontando em todo o corpo, mas o olhar… Ah! O Olhar era dócil…

Pandora, a pitbull dócil que roubou meu coração

Momentinho relax, pós banho e sol, descansando do dia ao ar livre

A Pandora teve sérias complicações de saúde, devido ao descaso e negligência que viveu, afinal, de acordo com o veterinário ela devia ter uns 9 anos quando foi resgatada, tivemos que ter muita paciência para aprender a respeitar o seu tempo e, desta forma, superar os traumas. E ela conseguiu, pois é uma pit bull que sofreu maus tratos, e só conheceu, por muitos anos, o lado ruim do ser humano e, mesmo assim, hoje, ela só demonstra amor. Posso virá-la do avesso que ela vai me passar a pata pedindo mais.

Infelizmente, por ser idosa, de pelagem preta, da raça pit bull e com tantos problemas de saúde ela não foi colocada para adoção (na verdade, não sei se eu o faria), eu mesma a adotei e, hoje, faz três anos que ela está com a gente.

Minha javali, Pumba, Pampam, PãoPão, Cabeça-de-Coração, Pandora, antes, meu medo era não conseguir te resgatar a tempo, hoje, é de te perder. Só tenho a agradecer por ter me feito conhecer o agradecimento e amor incondicional de um cão resgatado.

Semana passada, dia 26 de Junho, comemoramos seu aniversário. Fizemos festinha e tudo, olhem:

Pandora, a pitbull dócil que roubou meu coração

Vidrada no bolo. Foi pra cima com a vela acesa e tudo! hehehe

Pandora, a pitbull dócil que roubou meu coração

Minha amiguinha alí atrás estava procurando alguma coisa na parede, o que foi muito engraçado pois era quase que um mundo paralelo!! 😛

Pandora, a pitbull dócil que roubou meu coração

“E quem é que está ficando velha aqui, ô!” – Pandora desconfiada, descançando depois de comer horrores.

Espero que tenham gostado da história da minha Pampam! E que ela sirva para que possamos compartilhar cafa vez mais que o pitbull tem fama de bravo, mas se tratamos ele com carinho pode ser amável e dócil.

You Might Also Like

  • Camila

    Amei !! Me emocionou … Tb tenho um staffbull adotado , e tb o chamo de cabeça de coracao!! ???? Ele é eternamente grato, maior amor do mundo ! Que sorte a nossa termos encontrado esse amor !

  • Thaíla Marins

    Camila, é verdade… Sempre que falam que a Pandora teve sorte por eu tê-la resgatado, eu acho justamente o contrário, quem teve sorte fui eu! A fidelidade e amor dos cães são incomparáveis, quando vem de um animal abandonado ou sob maus tratos, acredito ser ainda maior. Muito obrigada por seu comentário, Camila, e será um imenso prazer ler um pouco mais sobre você e sua Cabeça-de-Coração. ;*

  • Lílian Boaventura Photo

    Que linda história! Fiquei toda emocionada! Deus abençoe a vida de vcs sempre!

  • Frida da Adorável Criatura

    É verdade, Lilian!
    A história é linda mesmo. A Thaíla resgata animais de rua, cuida durante uns 3 meses e depois faz umas fotos lindas colocando-o para adoção.
    Ela vai contar já já suas outras histórias, não deixe de aparecer. É uma mais emocionante que a outra. =)
    Muito obrigada pela visita! <3
    Beijos,
    Sônia

  • Antônia

    Amei sua história, eu e meu marido ganhamos uma pitbull e colocamos o nome de pandora rs’ ela é muito parecida com a sua,, mas só tem 2 meses ainda! nunca tive um cachorro dessa raça , mas tbm nunca tive preconceito ! estou completamente apaixonada por ela é minha filhota bagunceira! kk. mas a gente que tem pit sofre muito preconceito. todo mundo critica. ouvindo sua historia fico mais tranquila e sei que com a criação da minha pandora ela vai ser docil igual a sua pois ela desde que chegou roubou meu coração !

  • Frida da Adorável Criatura

    Olá Antônia!
    A gente aqui da Adorável Criatura fica muito feliz com a sua mensagem.
    A Thaíla é uma menina linda, que simplesmente transformou a vida desse bull. Acompanho o trabalho voluntário dela, além de receber constantemente vídeos e fotos da PamPam por Whatsapp. Foi uma cadelinha que só provou o quanto o comportamento depende muito mais da criação do que realmente do animal.
    Parabéns pela coragem em enfrentar esse preconceito e passe sempre por aqui. A Thaíla tem muita história bonita ainda para contar! =)
    Se inscreva na página para ser notificada. <3
    Beijos e bom fds!
    Sônia Rondon